Bonito na Revista Viagem e Turismo

Flutuação no Rio da Prata, flutue entre centenas de peixes coloridos enquanto é levado pela correnteza.

Aquário Natural, outra flutuação, em águas mais rasas. Dá pra fazer o trajeto em barco com fundo de vidro, ideal para crianças e idosos (R$ 145). Gruta do Lago Azul Tem estalactites e um lago muito azul, com 70 metros de profundidade e só duas formas de vida: um verme comum em cavernas e um camarão albino. De novembro a janeiro, das 8h30 às 9h, o sol ilumina diretamente a entrada da caverna (R$ 25). Mergulho livre no Rio Sucuri A variedade da vegetação subaquática é o ponto forte (R$ 115).

Cachoeira Boca da Onça É a mais alta do estado, de 156 metros – sobe-se 866 degraus até o topo (R$ 100). Dá pra descer de rapel, em outro passeio, por 220 reais. Cachoeira do Rio do Peixe Trilha por 11 cachoeiras. O ponto alto é o almoço no fim: fartíssimo (R$ 75).

Estância Mimosa Outra trilha por cachoeiras, com almoço depois. Depois ainda, há redes para a sesta (R$ 65). Buraco das Araras Leve binóculo pra ver bem: é uma abertura no solo, em funil, e um lago no fundo, 124 metros abaixo, onde moram um jacaré e dezenas de araras (R$10).Mergulho autônomo

Na modalidade água doce, é o melhor do Brasil: a visibilidade pode passar dos 30 metros, por conta do solo muito calcáreo. É especial o mergulho nas cavernas inundadas. Para iniciantes, um batismo de 30 minutos rola no Rio da Prata (R$ 140) ou no Rio Formoso (R$ 160).

Injustiça chamar o passeio ao Abismo Anhumas de rapel. A corda é só o passe à gruta enorme – 72 metros abaixo da fenda no chão da mata. Ali vivi um dia de mulher das cavernas: mergulhei no lago com cones gigantes submersos, conheci de canoa cada estalactite de forma estranha – e nome próprio -, convivi com os morcegos, almocei e até fiz xixi lá dentro, em saquinhos que, no fim do dia, também subiram à superfície pela corda do rapel. Quem não se emociona, ou é ruim da cabeça, ou… (Cláudia Carmello)

Rio da Prata na série Planeta Terra da BBC

Os habitantes do fantástico mundo subaquático do Rio da Prata são personagens de um trecho da série Planeta Terra, produzida pela BBC.

O trecho, filmado na nascente em abril de 2005, é parte da quarta parte da série – Fresh Water. A série é comercializada no Brasil em formato DVD pela Editora Abril, e será transmitida ao longo do ano pelo programa Fantástico. Vale a pena conferir!

BBC lança série revolucionária sobre mundo animal!
Foi ao ar neste domingo na TV britânica o primeiro episódio de Planet Earth (Planeta Terra), a maior série sobre a vida animal já produzida pela BBC.
Os mesmos criadores da série Planeta Azul – outra grande produção da BBC -passaram mais de quatro anos fazendo Planeta Terra, que retrata raros animais selvagens do mundo todo.

Câmeras poderosas permitiram a captura de imagens a grandes distâncias, fazendo com que o comportamento dos animais não sofresse interferência humana e possibilitando o registro de espécies arredias – e raras – como o leopardo da neve do Himalaia.Apesar de a população humana ter crescido de 1,5 bilhões para 6,5 bilhões no último século, a série revela que grande parte do planeta ainda é selvagem.A equipe do programa foi ao Brasil para capturar raras imagens de piranhas conhecidas como “barriga vermelha”. A série – que foi dividida em 11 partes – também inclui visitas a cavernas, o deserto de Gobi coberto por neve na Mongólia e o delta de Okavango, no sudoeste da África.

Fonte: Site BBC Brasil 06/03/2006

Rio da Prata na série Planeta Terra da BBC

Os habitantes do fantástico mundo subaquático do Rio da Prata são personagens de um trecho da série Planeta Terra, produzida pela BBC.

O trecho, filmado na nascente em abril de 2005, é parte da quarta parte da série – Fresh Water. A série é comercializada no Brasil em formato DVD pela Editora Abril, e será transmitida ao longo do ano pelo programa Fantástico. Vale a pena conferir!

BBC lança série revolucionária sobre mundo animal!
Foi ao ar neste domingo na TV britânica o primeiro episódio de Planet Earth (Planeta Terra), a maior série sobre a vida animal já produzida pela BBC.
Os mesmos criadores da série Planeta Azul – outra grande produção da BBC -passaram mais de quatro anos fazendo Planeta Terra, que retrata raros animais selvagens do mundo todo.
Câmeras poderosas permitiram a captura de imagens a grandes distâncias, fazendo com que o comportamento dos animais não sofresse interferência humana e possibilitando o registro de espécies arredias – e raras – como o leopardo da neve do Himalaia.Apesar de a população humana ter crescido de 1,5 bilhões para 6,5 bilhões no último século, a série revela que grande parte do planeta ainda é selvagem.A equipe do programa foi ao Brasil para capturar raras imagens de piranhas conhecidas como “barriga vermelha”. A série – que foi dividida em 11 partes – também inclui visitas a cavernas, o deserto de Gobi coberto por neve na Mongólia e o delta de Okavango, no sudoeste da África.

Fonte: Site BBC Brasil 06/03/2006

Mergulhando num aquário – Reportagem Revista Náutica

Boiando num Jardim – A água do Rio da Prata é tão transparente que os paixes parecem voar rente aos seus olhos. Não há nada igual no Brasil.

Na flutuação do Rio da Prata, em Bonito, você vira peixe também.

Imagine um aquário. Daqueles bem grandes. Agora vista um snorkel e entre dentro dele. Não, não tenha medo! Fique ali, boiando ao sabor da correnteza por um par de horas, vendo os peixes desfilarem a centímetros de sua mascára. Pronto! É mais ou menos assim o programa mais espetacular de Bonito, no Mato Grosso do Suol, um dos municípios mais estupendos do Brasil.

A flutuaçõ no Rio da Prata – este é o nome do passeiom que ainda inclui uma caminhada na mata até a nascente do tal rio antes e um lauto almoço na sede da fazenda onde tudo isso acontece, depois – não é apenas mais um dos atrativos de uma região riquíssima em belezas naturais: é, talvez, o programa turístico mais espetacular do país! Não há nada parecido por aqui. A água é ta transparente que os peixes parecem voar – e não nadar! -, enquanto você flutua no ar sobre eles. E tão cristalina que se der sede é só abrir a boca e tomar uns goles, sem problemas. Parece o Caribe, mesmo estando a mais de 1000 km da praia mais próxima. Pensando bem, Bonito é pouco para descrever o que é este lugar. O certo mesmo seria algo entre o lindo e o maravilhoso.

Revista Náutica Nº200 Abril 2005

Mergulhando num aquário – Reportagem Revista Náutica

Boiando num Jardim – A água do Rio da Prata é tão transparente que os paixes parecem voar rente aos seus olhos. Não há nada igual no Brasil.

Na flutuação do Rio da Prata, em Bonito, você vira peixe também.

Imagine um aquário. Daqueles bem grandes. Agora vista um snorkel e entre dentro dele. Não, não tenha medo! Fique ali, boiando ao sabor da correnteza por um par de horas, vendo os peixes desfilarem a centímetros de sua mascára. Pronto! É mais ou menos assim o programa mais espetacular de Bonito, no Mato Grosso do Suol, um dos municípios mais estupendos do Brasil.

A flutuaçõ no Rio da Prata – este é o nome do passeiom que ainda inclui uma caminhada na mata até a nascente do tal rio antes e um lauto almoço na sede da fazenda onde tudo isso acontece, depois – não é apenas mais um dos atrativos de uma região riquíssima em belezas naturais: é, talvez, o programa turístico mais espetacular do país! Não há nada parecido por aqui. A água é ta transparente que os peixes parecem voar – e não nadar! -, enquanto você flutua no ar sobre eles. E tão cristalina que se der sede é só abrir a boca e tomar uns goles, sem problemas. Parece o Caribe, mesmo estando a mais de 1000 km da praia mais próxima. Pensando bem, Bonito é pouco para descrever o que é este lugar. O certo mesmo seria algo entre o lindo e o maravilhoso.

Revista Náutica Nº200 Abril 2005

Rio da Prata e Bonito na Folha de S. Paulo – Caderno Turismo

É preciso saber dosar os vários passeios em Bonito para não se exaurir logo de cara. Entre grutas, balneários, aquário, arvorismo, cavernas, trilhas e rapel, há atividades que tomam o dia todo, como o Abismo Anhumas, que aliás, precisa de um dia e meio, para o treinamento.

Veja a foto!

Portanto, tente intercalar, entre um passeio pesado e outro, tours mais leves, como a flutuação no Rio da Prata, o aquário, ou a gruta de São Miguel.

Para realizar a flutuação no Rio da Prata, o visitante deve caminhar pelas trilhas da mata ciliar. Nada mal, pois observam-se animais silvestres e árvores centenárias como os ipês, as aroeiras e as perobas. Ao chegar até a nascente do rio, começa uma das experiências mais interessantes de Bonito. O turista entra em um imenso aquário de águas cristalinas e se desloca tranquilamente em meio a dezenas de peixes e de plantas aquáticas, com cores e formas de infinita beleza. O importante é deixar-se levar pela suave correnteza. Descobre-se um mundo totalmente novo, fantástico, sem precisar fazer treinamento, embora os guias passem algumas orientações. Uma deliciosa comida típica sul-mato-grossense, servida na sede da fazenda, aguarda o turista para o almoço.

Folha de S. Paulo – Caderno Turismo
17 de Março de 2005

Bonito por Natureza – Revista Próxima Viagem Nº 29

Bonito, fica no sudoeste de Mato Grosso do Sul, numa região tomada por pastos e plantações de soja, nas vizinhanças do Pantanal e do Paraguai. Não há águas tão límpidas e transparentes como as das nascentes de Bonito que brotam de rochas calcáreas, brancas como leite Até trinta anos atrás, os aquários naturais de Bonito serviam apenas para o deleite de pescadores e alguns amantes de caça submarina. Os poucos visitantes que se arriscavam a atolar o carro para chegar a cidade vinham por causa da Gruta do lago Azul No final dos anos 70 a Gruta foi tombada pelo Patrimônio Histórico e surgiram os primeiros guias para orientar os forasteiros.
A partir daí o movimento de visitantes não parou mais e Bonito virou a capital brasileira do turismo na natureza. ” Todos perceberam que a vocação da cidade é o turismo e estão investindo no que podem., comenta Eduardo Coelho, que transformou a Fazenda do Rio da Prata, onde só criava gado, num dos passeios mais procurados da região.

Com a estrutura que criou, uma centena de pessoas pode por dia desfrutar do mergulho na nascente do Rio da Prata, que fica em sua propriedade. De quebra, ajudou o sitiante vizinho, em cujo terreno fica uma enorme cratera, do tamanho de um quarteirão e com 120 metros de profundidade a construir dois mirantes, cercar o abismo e apregoar o balé de araras e morcegos que acontece ali ao pôr do sol. Mas a implantação de um novo passeio em Bonito não depende apenas da disposição dos donos das terras, precisa das bênçãos do Ibama e de outros orgãos municipais e estaduais. Levar um simples tripé para fazer fotos dentro da gruta exige aprovação prévia das autoridades e pode levar semanas. Já o rapel no Abismo Anhumas, chegou a ser proibido pelas entidades ambientais, mas continua até hoje por força de liminares.

Como se trata de uma experiência radical, a descida no Anhumas só pode ser feita por oito pessoas por dia , que passam por um rigoroso teste de aptidão na véspera. O Anhumas não é para todo mundo, mas se você puder não perca a oportunidade. No fundo do abismo há um lago cristalino enfeitado de magníficas formações rochosas, um cenário que até hoje só foi compartilhado até hoje por algumas centenas de pessoas privilegiadas.

Bonito no Especial Guia de Mergulho – Revista Náutica

A resposta é simples, não é só possível, como é uma deliciosa realidade. E a prova disso está em plena Serra da Bodoquena, no estado do Mato Grosso do Sul.

As águas cristalinas nos arredores das cidades de Bodoquena, Bonito e Jardim são de tirar o fôlego para os praticantes do snorkeling e do mergulho autônomo. Aquários naturais cheios de peixes e fantásticas cavernas subaquáticas – estas últimas para os que possuem treinamento especial – fazem valer a pena cada quilometro e cada centavo de uma viagem a partir de qualquer lugar do país.”

Especial Guia de Mergulho – Revista Náutica.

Bonito, Capital do Ecoturismo, é destaque no Portal Terra

Não há como ignorar o trocadilho: Bonito é realmente muito bonito. A natureza foi ímpar em suas atribuições, e os privilegiados são os turistas, que a cada ano descobrem, no Mato Grosso do Sul, a 278 quilômetros da capital do estado – Campo Grande – esse paraíso. As atrações vão da simples contemplação – que em Bonito ganha um novo sentido – à mais pura adrenalina, especialmente concebida para os adeptos dos esportes radicais.

Bonito fica na Serra da Bodoquena – que abriga a maior extensão de florestas preservadas do Mato Grosso do Sul – e possui o maior aquário natural de água doce do Brasil. As opções de diversão e aventura são inúmeras: trekking, banhos de cachoeiras, grutas de águas cristalinas, como a belíssima Gruta do Lago Azul, flutuação nas correntezas de rios como Sucuri, da Prata e Formoso, rafting, mergulho autônomo (com cilindros de oxigênio), trilhas de bike, rapel, parapente, ultra-leve.

O santuário ecológico ainda preserva uma admirável diversidade de espécies animais e vegetais. O mais impressionante é observar a riqueza que habita o fundo de rios e lagoas. A visibilidade das águas da região, garantida pela alta concentração de calcário, que funciona como agente purificador, permite que o turista desfrute desse privilégio.

O sucesso do turismo em Bonito está intimamente ligado à preservação da natureza. Qualquer passeio nesse santuário é acompanhado por um guia local registrado.

Nesse contexto, foram criados o Parque Ecoturístico da Bodoquena e o Projeto Vivo. O primeiro é uma iniciativa da ONG Instituto Peabiru de Ecoturismo e inclui passeios em canoas canadenses, mountain bikes, cavalos e trekking. Já o segundo, promove trekking, rafting no Formoso, passeios a cavalo e atividades especiais para crianças utilizando papel reciclado e reciclagem de lixo. Ambos são empreendimentos de lazer associados à educação ambiental e procuram mostrar como é possível aliar conservação da natureza, ecoturismo e geração de empregos.

Notícia de Bonito no site da revista Família Aventura

Devido a imensa quantidade de calcário no solo, as águas destes rios passam por uma verdadeira filtragem natural, onde as impurezas depositam-se no fundo dos leitos e o resultado é a absoluta transparência de suas águas. Bonito é uma região rica em cavernas e cachoeiras e apresenta inúmeras atrações para viajantes de todos os gostos e idades, onde se destacam a Gruta do Lago Azul e o mergulho nas águas transparentes dos rios da região.

A Gruta do Lago Azul é uma formação calcária, esverdeada devido ao depósito de sedimentos da vegetação, e seu Lago Azul está a 100 metros abaixo da terra. Outro passeio imperdível é a descida do Rio Olho D`Água até seu término, no Rio da Prata, num mergulho extraordinário em águas cristalinas e repletas de peixes.

O Rafting no Rio Formoso dá um toque de aventura a viagem e a oportunidade de apreciar a vegetação e a fauna das margens do rio: um encontro marcado com macacos, tucanos e araras. Bonito é assim: um exemplo de integração e convívio com a Natureza.

A Chão Nosso Ecoturismo leva os interessados em pacotes de 8 dias e 7 noites de duração que incluem, ainda, o passeio de bote pelo Rio Formoso, mergulho superficial no Rio da Prata, buraco das araras, Estância Mimosa, flutuação no Rio Sucuri, Gruta de São Miguel, Boca da Onça, e outros passeios opcionais.